#Club&CasaHome – Paraíso Tropical

Edição 02

A residência no interior paulista ostenta um jardim suntuoso marcado pelo apelo visual, olfativo e sensorial, com espécies típicas dos climas secos e das altas temperaturas.

Dos 2.540 m² desta morada com arquitetura moderna e linhas retas, localizada em Agudos, no interior de São Paulo, 1.230 m2 são dedicados ao esplêndido projeto paisagístico de Ricardo Pessuto. No início, o terreno limitava-se à ampla área de terra batida, cercada pelo cenário arborizado da região. Bastou uma visita do profissional à cidade para captar a atmosfera do local: “Assim que vimos o recinto, as ideias foram momentâneas”, relembra. Tendo como premissas a alta temperatura e o clima seco típicos dali, além da solicitação dos clientes por uma diversidade de espécies, a proposta de um verdadeiro recanto tropical ficou pronta em apenas três dias. “O projeto foi baseado na afinidade da família interiorana com a natureza e em seu hobby, que é a pesca”, conta Pessuto, que apostou até na implantação de um lago artificial de 60 m2 a fim de trazer a personalidade dos moradores para dentro do projeto. “A reflexão promovida pelo lago promove a sensação de profundidade, fazendo que as palmeiras-da-califórnia (Washingtonia filifera) também se multipliquem”, explica sobre uma das escolhas paisagísticas. Ainda segundo ele, além da harmonização de texturas, as tonalidades das plantas foram essenciais para transmitir o conceito de liberdade existente nos trópicos, como o roxo das bromélias (Alcantarea imperialis) e o leve vermelho da flor-de-coral (Russelia equisetiformis). Assim, todas as espécies contribuíram para tornar o jardim um belo recanto de formas e cores.

O grande lago com carpas foi feito com pedras e seixos de tonalidade marrom, seguindo a atmosfera de clima seco da região. Ao redor dele, além das bromélias, as espécies que chamam atenção são íris (Iris germânica) e espada-de-São-Jorge (Sansevieria trifasciata).

Ao longo do jardim, Pessuto se preocupou em proporcionar ambientes aconchegantes, como o banco ao redor da jabuticabeira (Plinia cauliflora) que ornamenta um espaço de convívio. O projeto luminotécnico compatibiliza com a obra do jardim: lâmpadas de LED com 4w, 8w e 30w brincam com efeitos de profundidade e foco nos diferentes pontos.

“A área trabalhada é extensa, com construções que ladeiam o jardim, como casa principal, área social, quadra poliesportiva e gazebo. Assim, vimos a necessidade de implementação da verticalidade”,  explica Pessuto sobre a escolha de palmeiras ao redor da piscina e de bambus-mossôs (Phyllostachys pubescens) na entrada da residência. A decoração deste espaço foi feita com vasos vietnamitas a fim de oferecer um elemento estrutural sólido à composição orgânica.

A flora da morada é rica, com diversidade de árvores, folhagens e forrações sabiamente arquitetadas. Enquanto o capim-do-texas (Pennisetum setaceum) traz cor junto às palmeiras-da-califórnia Washingtonia filifera) ao fundo, o volume dos canteiros fica por conta das barbas-de-serpente (Liriope muscari) e das cicas (Cycas revoluta), entre palmeiras-rabo-de-raposa (Wodyetia bifurcata) e areca-de-locuba (Dypsis madagascariensis).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *