#Club&CasaHome – O empreendedorismo por trás dos arquitetos do interior

A forte evasão dos centros urbanos percebida nos últimos anos demonstra um novo comportamento de moradia e, com ela, um perfil mais rebuscado e inteligente nos padrões arquitetônicos. Confira a visão abrangente de cinco arquitetos sobre o assunto.

BRUNO RUBIANO

Bruno Rubiano é arquiteto e sócio do escritório Studio AU-P17, que nasceu em 2007 e hoje conta com uma equipe de sete colaboradores, entre eles, a arquiteta coordenadora, Tamara Medina, visando projetos conceituais que expressem a identidade e a personalidade de cada um de seus clientes.

A QUE ATRIBUI A FORTE MIGRAÇÃO DAS PESSOAS DOS CENTROS URBANOS PARA CIDADES DO INTERIOR?

Acredito que devido os malefícios do caos urbano, juntamente com a busca por uma vida mais tranquila, há uma nova tendência em procurar melhor qualidade em todos os aspectos, desde transporte, moradia, até economia e custo-benefício. Percebemos uma valorização profissional e um crescimento do mercado, em que essas pessoas procuram um melhor planejamento de vida por meio da contratação de um profissional.

COMO ISSO REFLETIU NO SEU TRABALHO NO INTERIOR?

Temos um reflexo positivo, mudando a visão da sociedade do interior em relação ao arquiteto. Para quem quer empreender, deve valorizar o equilíbrio entre o financeiro e uma proposta de trabalho conceitual, que atenda um público-alvo abrangente. Deve também avaliar as condições do mercado e procurar inovar com ideias inteligentes, almejando destaque por meio de propostas ousadas e perdendo o “medo da aceitação” do mercado.

COMO SÃO ESSAS CASAS DE ALTO PADRÃO NO INTERIOR HOJE?

Nas residências atuais, o cliente busca o profissional que possa realizar um projeto totalmente diferenciado e personalizado, tendo como resultado algo único, ao contrário de antigamente em que se tinha uma arquitetura mais conservadora, sem tantas tecnologias e ofertas de materiais. Hoje vemos casas mais flexíveis e integradas, refletindo em mentes mais abertas, que não se importam em expor o seu modo de viver entre família e amigos.

ALEXANDRE CHAGURI

O arquiteto Alexandre Chaguri possui mais de 20 anos de experiência no desenvolvimento de projetos de arquitetura, decoração de interiores e gerenciamento de obras para os segmentos comercial e residencial.

A QUE ATRIBUI A FORTE MIGRAÇÃO DAS PESSOAS DOS CENTROS URBANOS PARA CIDADES DO INTERIOR?
Boa parte devido à busca de qualidade de vida. Uma grande porção das pessoas que optam por algo no interior, no início, procuram uma casa de campo, mas, por fim, todos pontuam a vontade de morar em futuro bem próximo. A internet também tem uma parcela significativa em tomadas de
decisão dessa natureza, já que permite o trabalho à distância (home office).

COMO ISSO REFLETIU NO SEU TRABALHO NO INTERIOR?
O projeto de arquitetura para quem busca construir no interior mudou bastante. As exigências dos clientes tiveram um salto astronômico, talvez pelo motivo de ser uma segunda moradia normalmente. Portanto, trabalhamos em nossos projetos com as tendências do mercado, sempre projetando algo comercialmente viável.

COMO SÃO ESSAS CASAS DE ALTO PADRÃO NO INTERIOR HOJE?
As casas de alto padrao antigamente tinham materiais aplicados de alto custo e eram exageradamente sofisticadas com coisas desnecessárias. Atualmente, com a tecnologia dos materiais e sistemas, a sofisticação fica inserida em outra esfera. Arquitetonicamente, as casas têm linhas
mais simples, com uma leveza visual, e abusamos nos materiais e na tecnologia a fim de criar um projeto prático e fácil.

POLES ARQUITETURA

Poles Arquitetura é um escritório de arquitetura fundado em 2004 por Fernando Poles. Em 2008, Tiago Martins se tornou o seu primeiro sócio e, em 2015, Fábio Monteiro completou a sociedade. Além de projetos para variados segmentos, o escritório tem como premissas arte, humanização, compromisso, personalidade e responsabilidade socioambiental.

A QUE ATRIBUEM A FORTE MIGRAÇÃO DAS PESSOAS DOS CENTROS URBANOS PARA CIDADES DO INTERIOR?
Reflete uma mudança gradual nos valores e nos objetivos da nossa sociedade, pois o sucesso hoje está muito vinculado à qualidade de vida. Em
um cenário de avanços tecnológicos, as relações pessoais mudaram, principalmente nos grandes centros urbanos. Neste contexto, as cidades
de porte médio ficaram muito atraentes, já que possuem os recursos necessários para um bom desenvolvimento profissional, aliados a uma vida
mais simples.

COMO ISSO REFLETIU NO TRABALHO NO INTERIOR?
Nosso escritório vem crescendo de maneira gradual, já que o mercado de arquitetura no interior tem se mostrado próspero, não somente na área
residencial, mas em todos os setores. É necessário, porém, perceber que os novos clientes que migram para o interior exigem o mesmo nível de qualidade e profissionalismo que estão acostumados nos grandes centros e somente devem prosperar aqueles escritórios que entenderem esta premissa.

COMO SÃO ESSAS CASAS DE ALTO PADRÃO NO INTERIOR HOJE?
Estamos em fase de transição, pois as casas passaram a ter novas características, principalmente em função das inovações tecnológicas. A mudança
mais sensível se refere à integração, pois antes tudo era compartimentado. Como os lotes urbanos estão cada vez menores, tal como nosso tempo livre, foi necessário reinventar a maneira de morar. Hoje, as construções precisam ser práticas e promover a interação das pessoas e suas familias, deixando
somente os ambientes íntimos mais reservados.

RODRIGO LATORRE

Há 15 anos no mercado de Sorocaba e grandes centros urbanos, o escritório Rodrigo Latorre é especializado em projetos de arquitetura residencial, englobando interiores, comercial e industrial.


A QUE ATRIBUI A FORTE MIGRAÇÃO DAS PESSOAS DOS CENTROS URBANOS PARA CIDADES DO INTERIOR?
Normalmente as pessoas que migram dos centros urbanos para cidades do interior buscam uma melhor mobilidade urbana, qualidade de vida e segurança. Com isso, elas nos procuram idealizando projetos funcionais, integrados e que permitam bons momentos com a família e amigos.

COMO ISSO REFLETIU NO SEU TRABALHO NO INTERIOR?
As famílias vindas das grandes cidades, na sua maioria, moram em residências multifamiliares, com boa oferta de loteamentos fechados e valores inferiores ao das residências dos centros urbanos. Essas famílias buscam no interior terrenos que permitam projetos espaçosos. Então, percebemos em nosso escritório uma grande demanda por projetos com amplos espaços, especialmente para lazer e integração com a natureza.

COMO SÃO ESSAS CASAS DE ALTO PADRÃO NO INTERIOR HOJE?
Os projetos atuais buscam usufruir dos recursos naturais de forma mais inteligente, com o aproveitamento de luz natural, ventilação e integração de
ambientes. No passado era comum projetos com ambientes divididos, impossibilitando a integração entre eles.

FELIPE CABLOCO

Fundado em 2016, o Felipe Caboclo Arquitetura realiza projetos personalizados em várias áreas, sobretudo residenciais. Suas criações trazem novas tecnologias alinhadas à boa arquitetura e usufruindo de recursos naturais de maneira inteligente.


A QUE ATRIBUI A FORTE MIGRAÇÃO DAS PESSOAS DOS CENTROS URBANOS PARA CIDADES DO INTERIOR?
Com o crescimento dos grandes centros urbanos, fica cada vez mais difícil desacelerar o ritmo do dia a dia, então, acredito que a vida mais pacata das
cidades do interior e a proximidade com a natureza seja um dos fatores que atraem esta mudança. Sendo assim, com as novas famílias chegando e
buscando um lar, percebe-se um ótimo cenário para o mercado da arquitetura, que atualmente está bastante aquecido nas regiões interioranas de São Paulo.

COMO ISSO REFLETIU NO SEU TRABALHO NO INTERIOR?
Geralmente quem decide construir uma residência no interior, seja para morar ou apenas para lazer, está em busca de uma rotina mais calma, estar
próximo à natureza, com um lugar confortável para descansar e, principalmente, para reunir toda a família. O grande propósito do escritório é projetar casas para que isso aconteça, para que grandes momentos sejam lembrados, um verdadeiro ninho familiar, pautado em proporcionar as relações humanas e os laços afetivos. Quem pretende empreender neste mercado precisa ter essa consciência: a arquitetura não será a protagonista, e, sim, a qualidade de vida que os espaços proporcionarão.

COMO SÃO ESSAS CASAS DE ALTO PADRÃO NO INTERIOR HOJE?
O avanço da tecnologia possibilitou outras formas de construção e, com isso, surgiu uma nova identidade da arquitetura. No entanto, acredito que a essência não foi perdida: quem vem para o interior busca um maior tempo livre e qualidade de vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *